Ex-Fox, brasileiro Ivan Martinho é novo gerente geral da Liga Mundial (WSL) da América Latina

Escritório regional da WSL South America passará a se chamar WSL Latin America e  abrangerá México e outros países da América Central

O brasileiro Ivan Martinho foi nomeado gerente geral da World Surf League (WSL) para a América Latina. Ex-Fox e Traffic, Martinho será responsável por tocar os negócios da WSL na região.

Assim, Martinho passa a se reportar diretamente à Sophie Goldschmidt, CEO da World Surf League.le passará as próximas semanas em Los Angeles, na sede da entidade, para integração e montagem de planejamento.

Nomear alguém do calibre do Ivan para a nossa posição na América Latina, complementa a equipe que já temos na região. O histórico do Ivan é ideal para avançar nossa missão na região e otimizar o interesse que temos visto. O Oi Rio Pro foi um dos mais bem-sucedidos eventos do Championship Tour que já tivemos.

Sophie Goldschmidt, CEO da WSL.

A entrada do brasileiro reforça a importância que o país tem atingido no surfe. Única liga esportiva do mundo que tem equidade de gêneros na premiação, a WSL tem visto o Brasil como um dos mercados a serem mais bem trabalhados globalmente.

“Eu vejo uma tremenda oportunidade com os atletas, parceiros de mídia e patrocinadores, para alavancar nossa posição como um dos esportes mais desejados e respeitados da região”, afirmou Ivan Martinho, que deixou recentemente a Fox.

O executivo vai se juntar ao vice-presidente de eventos para a América Latina, Xandi Fontes, à equipe regional da WSL América Latina na supervisão das iniciativas de Tours, Studios e WaveCo na região. 

Atualmente, o Brasil realiza uma etapa do Circuito Mundial em Saquarema (RJ). O escritório central da World Surf League no país, porém, a princípio, deverá ficar na cidade de São Paulo.

Ivan Martinho, novo gerente geral da WSL Latin America.

Crédito da imagem: WSL/Divulgação.

Autor: origemsurf

Compartilhe esse Post

2 Comentários

  1. WSL virou inimiga do surf nacional. Vão ter que correr atrás deste prejuízo. E vamos ver se chega ao fim a vergonha de ver os brasileiros do tour com prancha branca, sem patrocínio principal…

    Poste um comentário
    • Fala, João! Eu tenho uma visão um pouco diferente da sua, se é que eu entendi o que vc quis dizer com “inimiga”. Procuro sempre traçar um paralelo com o que houve no futebol nacional e a debandada de talentos para os clubes europeus nos anos 90/2000. O Brasil é um país que infelizmente não valoriza o Esporte como deveria e assim perdemos milhares de talentos todos os dias, em todas as modalidades. O futebol ainda se sustenta nacionalmente, mas para um atleta do surfe, qual a esperança de viver como profissional senão ingressar nos circuitos mundiais da Liga?! Me desculpa se tô falando bobagem, e se você sabe mais sobre isso (bastidores, entrelinhas e afins) há quem diga que os dirigentes brasileiros da liga no Brasil “sabotaram” o circuito nacional, eu particularmente tenho certa dificuldade em acreditar nisso…mas, enfim, fiquei curiosa pra saber sobre as razões que te levam crer que a WSL é inimiga do surfe brasileiro…me conta??! obrigada pelo coment 🙂 é pra isso que eu tenho esse espaço.. é péssimo quando escrevo e ninguém “fala” nada hahhaha, beijos e boas ondas!!! jana

      Poste um comentário

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *