‘Sou dependente dessa vida intensa que o mar oferece’, diz Koxa sobre querer superar o próprio recorde

Daqui a dez dias Rodrigo Koxa embarca para Nazaré, Portugal. A viagem faz parte de um plano ambicioso: assegurar o recorde mundial da maior onda já surfada por um homem

A besta de 24,38 metros surfada por Rodrigo lhe rendeu uma menção no livro oficial dos Recordes, o Guinness Book. O paulista conta na entrevista a seguir como planeja superar a própria marca, durante a nova temporada de ondas gigantes em Praia do Norte.

por Janaína

O quiver

O atleta se prepara para encarar as ondas gigantes de Nazaré com nada menos que cerca de vinte pranchas. De uma 5´9 até uma senhora gun de 11 pés, além das pranchas convencionais, Rodrigo também conta com um quiver robusto para tow-in.

Tenho muitas pranchas em Portugal. Meu quiver é a junção de várias temporadas, levando prancha para Portugal, desde 2013.

Koxa
De 5´8 (4kg) até 5´11 (10kg), ao todo seis pranchas para tow in. Divulgação/Arquivo pessoal.

Natureza ou um bigrider? Quem é seu real adversário?

Rodrigo Koxa – Na verdade não tenho oponente dentro do mar. Busco sempre entrar em conexão com as adversidades que ele oferece. É como dançar com a natureza.

Tento encontrar essa harmonia, pois entendo o mar como o amor da minha vida. Não se enfrenta o amor, se vive.

Até quando será possível quebrar recordes?

Rodrigo Koxa – Eu tinha um sonho: surfar as maiores ondas da minha vida. Foi seguindo esse objetivo que consegui surfar a maior onda do mundo. Sempre pensando em me superar e acabou que deu certo.

Meus objetivos continuam pessoais. Ainda sonho em pegar minha maior onda da vida… Trabalho para melhorar minhas pranchas, treino muito com a equipe e acredito no conhecimento adquirido ao longo da minha vida.

Mas o combustível sempre foi o amor pelas ondas gigantes. Enquanto eu amar esse esporte, estarei estudando me superar. É uma paixão e o maior objetivo da minha vida.

Devidamente equipado em Portugal. Arquivo pessoa.

Surfar ou quebrar recordes: o que é melhor?

Rodrigo Koxa – Com certeza hoje sou muito realizado com o recorde e percebo uma paz dentro de mim. Paz que me faz agradecer e curtir ainda mais o esporte. Mas, uma constante vontade também de surfar mais. Não sei explicar, acho que sou dependente dessa vida intensa que o mar oferece.

“Não se enfrenta o amor, se vive.” Rodrigo Koxa vivendo Nazaré; arquivo pessoal.

Boa sorte, Koxa!

Autor: origemsurf

Compartilhe esse Post

5 Comentários

  1. Estes atletas de ondas grandes não tem limites, fazem da vida o esporte e do esporte a vida…

    Poste um comentário
    • Atletas como Rodrigo Koxa e tantos outros Brasileiros que arriscam a vida e elevam sempre O nome do Brasil pelo mundo deveriam ser valorizados e incentivados pelo governo. Se utilizassem 0,00000000000000000000000000001% do que pagamos de impostos no Esporte , saúde e Educação seríamos o maior País do mundo em centenas de modalidades . Mesmo sem termos já somos um exemplo ao mundo . Pelo menos no SURF . Parabéns ao Rodrigo Koxa por ter dado a volta por cima após um trauma. Sucesso sempre e que nessa temporada entre uma bomba de 100 pés pra ti .

      Poste um comentário
      • Parabéns pela entrevista.
        O surf, como esporte competitivo, se apresenta de várias formas. Consequentemente o perfil do atleta também muda conforme a modalidade que ele está inserido.
        Big Riders, que se dedicam a surfar ondas extremas, tem características psicológicas distintas. Dra Maria Lucia Contreras estuda o perfil destes atletas há 20 anos, com artigos publicados pela Federação Internacional de Medicina do Esporte e um capítulo do livro Psicologia do Esporte Aplicada, publicado no inicio dos anos 2000, dedicado exclusivamente a demonstrar as características que moldam esses atletas.

        Poste um comentário
    • O Rodrigo Koxa é um exemplo a seguir. Excelente Ser Humano e magnífico Desportista.

      Poste um comentário

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *