Surf adaptado: grupo lança protótipo exclusivo para PcDs

Projeto “Nas Ondas do Bem”, coordenado pelo engenheiro mecânico Ulisses Caetano, professor do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), em parceria com a Associação Surf Sem Fronteiras e o shaper Fabrício Flores Nunes, apresentou na última sexta (08), prancha fabricada para atender surfistas com deficiência. 

por Janaína

Até o momento, no Brasil, pranchas para portadores de deficiências eram adaptações, muitas vezes a partir de pranchas de SUP, vela e outras modalidades.

Foram cerca de oito meses, desde os primeiros encontros com a chef de cozinha Vitória Diehl, até o primeiro drop com a prancha desenhada sob medida. 

De acordo com os envolvidos na empreitada o feito é inédito no país, e talvez no mundo.

Fabrício Flores, designer da Sea Cookies Handshapes durante o processo de criação do protótipo. Divulgação.

“A informação que se tem é de uma primeira prancha criada a partir de entrevistas e estudos, sem adaptações, só inclusões. Entrevistamos a surfista PcD e procuramos atender todas as necessidades apontadas por ela”, explica Fabrício.

Segundo o shaper, a prancha foi desenvolvida com base em pesquisas feitas a partir de criações de grandes nomes do design de pranchas como George Greenough, irmãos Campbell, Planing Hulls, Bob Simmons e David McTavish. Além de estudos de ergonomia e antropometria.

“As quilhas foram inspiradas nas proporções áureas das barbatanas de lulas e do espiral Fibonacci”, completa.

Equipe reunida após teste da prancha. Crédito da Foto: Associação Surf Sem Fronteiras.

O surf adaptado é um presente na minha vida e eu quero mostrar que é possível ter compaixão e alegria pelo outro.

Vitória Diehl

Ouça a surfista

Nas Ondas do Bem

Iniciado em 2017, o projeto “Nas Ondas do Bem” engloba ações de inovação, pesquisa e ensino para o fortalecimento da cultura e prática do surfe. 

Coordenado pelo professor Ulisses Caetano,  41, a iniciativa passou a ter foco maior em designer de pranchas para PcDs em outubro deste ano.

“Desde 2017 tocamos o projeto que conta com um Board Truck (caminhão com sala de shaper) estacionado na sede do Instituto (IFSC) onde fabricamos pranchas”, conta Ulisses.

Professor de mecânica do ensino básico e técnico no campus de Itajaí, Caetano explica que o esporte ganhou dimensão inesperada, desde que começou a surfar, e como resultado surgiu a ideia de iniciar o projeto.

“Comecei surfar há três anos apenas, mas o surfe tomou uma proporção enorme. Por isso, resolvi trazer o tema e, desse modo discutir como o design inclusivo de prancha de surfe poderia contribuir para o bem-estar”, explica o mestre e doutor em Design pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

A partir da tese “Ondas do bem: Design de pranchas orientadas para aprimorar a performances do surf adaptado”, foi possível reunir parceiros e criar o protótipo.

O design tem um papel central de favorecer as interações entre os produtos e o ser humano, de uma maneira propositiva universal, sensível que contribua para experiências que conjuguem usabilidade e bem-estar.

Ulisses Caetano.

Inicialmente foram realizados encontros e visitas técnicas à Associação Surf Sem Fronteiras para compreender a realidade do surf adaptado.

“O surfe é uma ferramenta poderosa na construção da habilidade da felicidade no coração das pessoas. Uma felicidade que é pautada por acalmar a mente, reduzir o apego ao ego, interconectar de maneira impermanente os seres e as entidades por meio das ondas”, comemora Caetano.

Surfe e Budismo

Adeptos do Budismo, os surfistas Fabrício Flores Nunes e Ulisses Caetano pretendem desenvolver os próximos passos do projeto alinhados à filosofia de Dharma.

“As referências bibliográficas do Budismo vão guiar nosso caminho. Outras pranchas serão feitas, é só o começo. Estamos na fronteira do conhecimento, adentrando em um terreno ainda desconhecido”, conta Caetano.

Para o ano que vem, o professor e surfista adianta que há um projeto programado. “Vamos fabricar uma prancha para atender às exigências de um surfista tetraplégico”.

Patentes, Dossiês e a chande de produção em larga escala

A iniciativa conta com um dossiê sobre a empreitada realizada com Vitória. O processo de criação da prancha, desenvolvido exclusivamente baseada nas exigências e carências da surfista, foi documentado em um dossiê produzido em quatro línguas (português, inglês, espanhol e francês).

Além do documento plurilíngue o grupo deve registrar a patente das quilhas, projeto original do designer Fabrício Flores da Sea Cookies Handshapes e confecção em parceria com a Slaid Fins.

Feliz da vida! Foto Associação Surf Sem Fronteiras.

Autor: origemsurf

Compartilhe esse Post

4 Comentários

  1. Gratidão pode poder participar disso tudo! Surfe salva, une e agora, mais do que nunca, inclui. Obrigado a todos que participaram deste movimento que já existe e agora ganha ainda mais força!

    Poste um comentário
  2. Parabéns aos envolvidos. Lindo trabalho!!

    Poste um comentário
  3. Lindo projeto. Torço muito para que consiga produção da prancha em larga escala e dissemine ainda mais o surf como ferramenta de inclusão e também, de tratamento de diversas patologias. Já testemunhei os benefícios do surf para deficientes e sugiro ao jornal uma matéria adicional sobre o mesmo tema, divulgando o também maravilhoso trabalho de conhecido surfista Cisco Araña, na cidade de Santos. Além da primeira escola pública de surf, Cisco está à frente do Projeto Sonhando Sobre as Ondas, com pranchas adaptadas desenvolvidas por ele mesmo para deficientes visuais e para outras deficiências. O projeto é lindo e conta com o apoio da Prefeitura de Santos, do Rotary Club e também da Blue Med, que tem um projeto voltado para a terceira idade. Recentemente foi inaugurada na cidade uma segunda escola de surf no Posto 3, inteiramente dedicada ao atendimento de centenas de deficientes. Quem foi o primeiro? Não importa. O bom é que existam o segundo, o terceiro e outros mais. Aloha!.

    Poste um comentário
  4. Aloha nobres.

    Obrigado de coração pela matéria.
    Ficou muito profissional.

    Obrigado a todos envolvidos no projeto pela parceria e melhores energias.

    Sigamos rumo a novos desafios de inovação técnica e social, pois essa é a missão do Instituto Federal de Santa Catarina.

    Mahalo.

    Prof. Dr. Ulisses Caetano
    e-mail: ulisses.caetano@ifsc.edu.br

    Poste um comentário

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *