Sonho olímpico do surfe em risco

São anos de tentativa, lobby e negociações para transformar o surfe em um esporte Olímpico. Certamente, atletas, praticantes e admiradores do esporte veem a estreia da modalidade em Tóquio como um dos grandes marcos.

por Janaína Pedroso

Depois da contribuição do célebre Duke Kahanamoku, que apresentou o surfe para EUA e Austrália, transformando o esporte em algo mundial, os Jogos Olímpicos disputados em Tóquio podem ser, inegavelmente considerados algo realmente transformador para o surfe global.

No entanto, pairam dúvidas e muita expectativa sobre como será a estreia do surfe no Japão das Olimpíadas. 

Line up de Tsurigasaki, Japão. Tokyo 2020 / Shugo TAKEMI

Já se sabe que as condições não serão as mais desafiadoras, muito menos empolgantes. A praia de Tsurigasaki, está longe de oferecer ondas grandes, tubos profundos. Muito diferente do que é conhecido sobre o Taiti, a propósito.

Ontem, 03, o Comitê Olímpico Internacional (COI) confirmou que o surfe será apresentado nas aterrorizantes, porém perfeitas ondas de Teahupoo. Apesar da distância da sede, Paris, ter gerado certa polêmica, o que sobrou foi a certeza de que altas ondas não deverão faltar.

Nada de marola, o que ameaça é microscópico

Falta de onda, qualidade ruim, dificuldade na logística de transmissão, ficar a mercê da Natureza. Nada disso é mais problema. Antes da pandemia, que invadiu o mundo recentemente, essas pareciam ser as questões debatidas sobre a estreia do surfe nas Olimpíadas. Fatores que determinariam então o fracasso ou o sucesso do sonhado debute.

Entretanto, hoje sabe-se que a ameaça é algo jamais esperado. Um vírus propagado por algo microscópico, porém capaz de exterminar e deixar em pânico parte da humanidade?

O coronavírus não ameaça apenas as Olimpíadas de Tóquio e o bem-estar de centenas de milhares de humanos, mas a economia, as bolsas, as indústrias.

Porém, apesar de já ter havido eventos cancelados no Japão, como o adiamento do treino de voluntários dos Jogos, por exemplo, é prematuro dizer que o evento não ocorrerá. 

Por fim, vale lembrar que as Olimpíadas já ocorreram em situações mais ou igualmente preocupantes e ameaçadoras como guerras e atentados. Como bem lembrou a colunista Katia Rubio em excelente artigo publicado no último domingo (29).

Afinal, a estreia do surfe nas Olimpíadas estaria de fato ameaçada? Aguardemos.

Vila Olímpica de Tóquio. ©Tokyo 2020

Crédito foto de capa: ©Tokyo 2020

Autor: origemsurf

Compartilhe esse Post

5 Comentários

    • Lamentavelmente o governo bolsonaro não está fazendo nada para conter a epidemia e nossos surfistas podem ter que ficar sem participar. Uma pena.

      Poste um comentário
  1. Gostaria de fazer um ótimo comentário, mas me encontro sem informações, muitas sao as especulações mas nada é afirmado , até o cob não tem informação concretas, Japão a terra do sol nascente , grandioso em tecnologia, poderia ter uma piscina de ondas, mas desculpe olimpíada hoje é loob e política. …vamos aguardar.

    Poste um comentário
  2. Lamentável pra toda comunidade do Surf, principalmente brasileira , pois somos a maior potência dentro d’água . Fora d’água, como organizadores, entramos na área política/ partidaria , lamentavelmente.

    Poste um comentário
  3. O texto não está falando de lobby ou política. .
    Mas da ameaça eminente do vírus certo? ??

    Poste um comentário

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *