Ita7: o grupo que vive para surfar e surfa para viver!

Itamambuca é conhecida por sua beleza, por suas direitas perfeitas, por sua paz, por seu verde (garantido graças ao esforço de quem ama aquele lugar e não admite que o asfalto chegue às suas ruas de terra). Nesse lugar a beleza está no lado “roots” de ser. Itamambuca, o condomínio em que as ruas não têm nomes, apenas números, também guarda alguns segredos, que só quem convive dia a dia nesse paraíso sabe.

É lá, que um grupo denominado Ita7 nasceu. Ao todo, eles são quase 25 entre garotos e garotas. Todos surfam e vivem sob o lema “Toda roubada vale a pena se a onda não for pequena”. Tudo começou há alguns anos quando os irmãos Luan e Caiã Blascovich conheceram os outros irmãos Igor e Iago, que moravam na rua 07.

Alguns anos se passaram, mais amigos vieram e outras duas famílias entraram para o grupo. Guilherme e Danilo Villas Boas e Rafael, Luiza e Laura Marques. O bond estava ficando cada dia forte. Era surfe e brincadeira o dia inteiro, e claro zuação total. A “trolagem” anda solta entre esses garotos, que só querem surfar e curtir a vida. Hoje, a maioria já mora lá, então a convivência passou a ser ainda mais intensa e namoros e paixões agudas fazem parte do pacote. O grupo ficou tão conhecido que acabou ganhando uma logomarca, criada pelo vizinho e diretor de arte Alexandre Pagano.

Eles costumam fazer tudo junto, inclusive raspar a cabeça. “Quanto o Ítalo ficou doente e precisou raspar a cabeça, achamos que seria legal rasparmos também, pra dar um apoio moral pra ele”, conta Luan. Durante essa época, ficaram todos carecas, o que confundia quem estava por perto. “Uma vez rabiei um cara e ele ficou bravo com o Bisteca (apelido carinhoso de Fabricio de Souza), e não comigo”, lembra Luan. Mais tarde, Gabriel Gonegero integrante do grupo também descobriu um câncer, e juntos foram todos raspar o cabelo novamente, em apoio ao amigo.

São da geração Millennial, mas nem por isso se ligam só em tecnologia, graças ao surf e ao contato com a natureza essa galera tem outras coisas com que se preocupar. Rola caçar Pokemon, mas depois de surfar e fazer a cabeça. Rola fazer apostas em grupos de whats sobre o circuito mundial, mas só depois de dar aquele rolezão de bike, ou de fazer aquela trilha em busca do secret spot.

Quem conhece sabe, os garotos são sangue bom, vibe pura, com eles é só gargalhada. Certamente, ainda ouviremos falar desses meninos e meninas que já estão tendo destaque em competições de surf amador.

Luan e Caiã Blascovich, Guilherme e Danilo Villas Boas, Rafael, Laura e Luiza Marques, Igor e Iago De Sousa, Fabrício De Souza, Israel e Rômulo Pereira, Mateus e Yan Gomes, Gabriel Gonegero, Paulo Henrique, Gustavo Pires, Rafael Barbosa, Pedro Campos, Gabriel Siqueira, Weslley Dantas, Marcelo e Matheus Borges, Raoni Maiettini, Beatriz Moura, Nicole e Lucas Schwartz: são todos ITA7.