Dia flat: pesadelo ou dádiva?

Sobre aqueles dias. Aqueles dias terríveis, cruéis, que não queremos de forma nenhuma que cheguem, mas que insistem acontecer.

O que fazer quando o mar não dá sinal de vida? Quando tudo o que ele pode te oferecer é ficar boaiando e pensando: como seria bom se o surf não dependesse tanto das condições instáveis da natureza?

Kelly Slater deve ter pensado tanto sobre isso, que conseguiu convencer alguns cientistas a toparem o desafio de burlar as Leis da Natureza. Juntos, criaram a Wave Company, que talvez um dia chegue ao Brasil.

Mas de volta ao mundo real, o que fazer quando não tem onda? Dar uma remada, fazer uma trilha, escrever esse post nada a ver? Ler um livro, tomar um banho de Cachoeira ou comer feito maluca?

Talvez, os dias flats devem ser flats e assim servirem para não se fazer nada. Não pensar em nada, apenas contemplar a essência de ser.

Assim como o oceano, às vezes é preciso esvaziar a mente, deixar ela flat, relax. Pra depois, enchê-la novamente com novas ideias.